Cadernos Rosa

Edições impressas de textos e dossiês da revista, publicadas pela Editora Hedra.


O lado escuro da paisagem
— entrevista com Eliane Robert Moraes

Encomendar exemplar

Motivadas por pesquisas semelhantes, mas sobretudo por uma admiração em comum pela pesquisadora Eliane Robert Moraes — professora de literatura brasileira na USP, autora do livro O corpo impossível e organizadora da Antologia da poesia erótica brasileira —, Marcela Vieira e Mariana Portela Echeverri se organizaram para pensar, juntas, uma série de perguntas para esta entrevista publicada na Revista Rosa. A entrevista, cujo tom é o de uma conversa provocativa, crítica e estimulante, percorre temas como censura, ficção, desejo, fantasia, sempre tendo em mente a sexualidade — suas fendas criativas para novos mundos; seus reveses decorrentes de um moralismo em permanente atualização. A entrevista foi realizada em etapas, entre janeiro e abril de 2021.










Uberização: trabalho precário e formas de resistência

Encomendar exemplar

A emergência e a disseminação de plataformas digitais em diversas esferas de nossas vidas nos últimos anos produziram uma espécie de tecnoeuforia na sociedade. À primeira vista, poderia parecer bom para todo mundo. Uma tecnologia que conecta consumidores e trabalhadores, oferecendo um serviço mais conveniente para os primeiros e vantagens também para os segundos. Em vez de ter que procurar um táxi vago na rua, basta indicar a necessidade em um aplicativo e o motorista vem até você. Em vez de ter que entrar em uma fila de um ponto de táxi, basta ao motorista esperar as corridas chegarem por notificações no celular. Vantagens semelhantes poderiam ser listadas em relação aos demais tipos de uberização do trabalho e do consumo. A essa altura, no entanto, já estamos escaldados de que nada é o que parece na opacidade ideológica do capitalismo de plataforma. Por trás da modernidade reluzente dos apps, o que existe é mais precarização das relações de trabalho, em inúmeras dimensões: jornadas de trabalho sem limites, renda baixa e incerta, acidentes constantes, gerenciamento algorítmico indecifrável que é usado para dividir e controlar a classe trabalhadora. Não se trata, é claro, de querer girar para trás os ponteiros do relógio: não há nada mais distante da perspectiva deste dossiê do que considerar o mundo dos motoboys terceirizados e dos alvarás de táxi concentrados nas mãos de grandes empresários como um paraíso perdido. A luta por uma sociedade emancipada não se opõe aos avanços tecnológicos, mas cobra deles suas promessas não cumpridas. O objetivo deste dossiê é trazer para as leitoras e os leitores da Rosa o debate sobre a uberização em sentido amplo, estimulando a discussão sobre essa fronteira da exploração do trabalho e das formas de resistência da classe trabalhadora. Para tanto, contamos com quatro artigos, escritos por pesquisadoras e pesquisadores brasileiros que têm estudado o assunto a partir de ângulos que se complementam. Contamos também com a tradução de um artigo de Veena Dubal, professora da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, e militante na luta por direitos para os trabalhadores uberizados. Por fim, mas não menos importante, publicamos duas entrevistas com lideranças de movimentos organizados de entregadores: Gil, do Sindimoto-SP, e Galo, dos Entregadores Antifascistas.










Revolução conservadora e neoliberalismo

Encomendar exemplar

Era conhecida a meticulosidade com que Ruy Fausto trabalhava seus textos. À exaustão, procurava aparar cada detalhe, de forma e conteúdo. Os textos deste Caderno já estavam em estágio muito avançado e haviam sido planejados pelo próprio Ruy para publicação do primeiro volume da Rosa. Ruy faleceu antes de ver os textos publicados. Decidimos, assim, com a autorização e concordância de sua família, editá-lo para publicação. Os textos, que na revista online foram publicados em duas partes (conservamos o formato nesta publicação), começaram a ser pensados em meados de 2019. Depois de uma longa pesquisa, Ruy redigiu a primeira versão em dezembro de 2019 (há uma indicação precisa a respeito do dia 22 de dezembro). No entanto, pelas notas ao final e por nossas conversas, sabemos que ele trabalhou nesse texto até o final de abril de 2020. Partindo dessa última versão, revisamos o texto, checamos as referências, conferimos citações e explicitamos as fontes quando estavam esboçadas ou não tinham sido apontadas. Também verificamos as traduções, fazendo as que se encontravam apenas indicadas. É importante frisar: o texto encontra-se quase idêntico ao que encontramos. Não há, com nossa edição, nenhum tipo de mudança substancial, que altere suas teses, seu formato ou mesmo seu estilo. Ruy Fausto foi o idealizador da Revista Rosa e teve oportunidade de vê-la lançada em seu primeiro número. Damos início a essa primeira sessão dos Cadernos com dois de seus textos e pretendemos continuar publicando textos e aulas de sua autoria ainda inéditos.